Casos de dengue disparam em Dracena e metade dos pacientes abandona o tratamento

Secretaria Municipal de Saúde e Higiene Pública faz alerta sobre a importância da continuidade do atendimento terapêutico.

Publicado em: 15/03/2019 08:03
Aedes aegypti — Foto: Pixabay/Divulgação

Aedes aegypti — Foto: Pixabay/Divulgação

A Secretaria Municipal de Saúde e Higiene Pública já registrou neste ano 116 casos de dengue, em Dracena. São 107 autóctones – quando contraídos na própria cidade – e nove importados de outras localidades.

O número de 2019 supera os totais contabilizados nos 12 meses dos três anos anteriores: em 2018, foram cinco casos; em 2017, 12 registros; e em 2016, 108.

O que destoa neste período é o ano de 2015, quando a cidade teve 1.495 casos, também em 12 meses.

Em nota divulgada nesta quinta-feira (14), a secretaria informou que vem tentando de todas as formas combater o mosquito Aedes aegypti e evitar uma epidemia no município, porém, sem que os moradores façam a sua parte, não é possível.

A situação fica ainda pior, segundo a secretaria, pois cerca de 50% das pessoas que dão entrada no Pronto Atendimento Municipal (PAM) ou nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) com suspeita de dengue não permanecem no local ou então não retornam para coletar os exames (hemograma ou sorologia).

Entre as medidas adotadas, foram contratados de forma emergencial mais oito funcionários de campo para enfrentamento da transmissão da dengue. Outras cinco pessoas estão em fase de contratação.

A Vigilância Epidemiológica ainda realiza um trabalho contínuo, por meio de agentes de controle de vetores, com visitas intensificadas nas residências, além dos três mutirões de limpeza por ano, percorrendo todos os bairros do município.

Também é feito um trabalho de prevenção e orientação a partir de palestras e distribuição de materiais educativos em escolas, entidades, empresas, igrejas e clubes de serviços de Dracena.

De acordo com a Vigilância Epidemiológica, todos os dias os agentes de controle de vetores têm encontrado muitas larvas e recipientes com água nas residências de Dracena. Visto o quadro de alerta em que o município se encontra e que a maioria dos casos registrados até então é autóctone, a situação fica ainda mais perigosa, segundo o órgão municipal.

A Prefeitura reforçou a necessidade de todos fazerem a sua parte no combate à dengue, doença que pode levar até a morte. A orientação da vigilância é para que a população mantenha seus imóveis limpos e elimine todos os recipientes que possam acumular água, além de lavar duas vezes por semana com água, sabão e uma bucha os bebedouros dos animais.

Outras ações indicadas são manter piscinas tratadas com cloro; limpar calhas e lajes; tampar caixas d’água, assim como tambores e bombonas usadas em construções; e colocar detergente a cada 15 dias na bandeja da geladeira, caso haja.

Além disso, após períodos de chuva, é necessário vistoriar o quintal e eliminar tudo que possa acumular água, como baldes, regadores, brinquedos espalhados, garrafas, materiais recicláveis e lonas.

 

Serviço

A Vigilância Epidemiológica está à disposição de qualquer empresa, instituição, escola e estabelecimento comercial, entre outras instituições, que tenham interesse em aplicar palestras educativas e preventivas sobre a dengue. O pedido pode ser feito pelo telefone (18) 3822-2621 ou pessoalmente na Avenida José Bonifácio, 950, no Setor Amarelo do Centro Dracenense de Atendimento ao Cidadão (Cedrac), das 7h às 17h.

 


Por G1 Presidente Prudente

 



Qualquer reclamação, dúvida, comentário ou sugestão são bem vindos.

0800-7723010 | (18) 3851-9020 | (18) 99708-1491

Av. 09 de Julho, 683 - Conj.22 - Centro - Tupi Paulista

[email protected]



Todos os direitos reservados - Permitida a reprodução do conteúdo deste portal desde que autorizada.

Precisando de Internet? Conheça a abcRede Telecom.