Quem tem rinite alérgica pode ter gato ou cachorro em casa?

É preciso adotar uma série de cuidados para manter o ambiente sempre limpo e, com isso, afastar as crises de rinite

Publicado em: 21/06/2019 09:06

A rinite alérgica é definida como uma doença inflamatória da mucosa nasal, que ocorre em indivíduos geneticamente predispostos e sensibilizados à alérgenos inaláveis como poeira doméstica, fungos, pólens, baratas e, inclusive, epitélios de animais.

Caracteriza-se por sintomas como espirros, coceira nasal, entupimento nasal e coriza, que aparecem com maior ou menor frequência e intensidade, o que determinará a necessidade de tratamento preventivo.

Inicialmente, para determinar a orientação ambiental, deve ser realizada a dosagem de IgE específica para alérgenos no sangue ou teste alérgico de puntura que poderá identificar a sensibilidade para poeira, epitélio de animais, fungos, pólens ou baratas. Se o teste for positivo e houver uma correlação clínica com o alérgeno identificado, pode-se considerar alergia (exemplo: teste alérgico positivo para pelo de cachorro e realmente a pessoa apresenta sintomas como espirros, coriza e entupimento nasal quando abraça o cachorro e o segura. Nesse caso, considera-se que a pessoa é alérgica ao epitélio de cachorro).

Para os pacientes que apresentam IgE específica positiva ou teste alérgico positivo para epitélio de cachorro e gato - além de sintomas de rinite -, a orientação é realmente evitar ter animais do interior do domicílio. No entanto, um aspecto que deve ser considerado é o fator emocional, uma vez que o paciente ou a família tem um vínculo afetivo forte com seus pets. Às vezes, a retirada do animal da casa é uma tarefa muito difícil. Caso não seja possível, é recomendável dar banho nele uma vez por semana, evitar que durma na cama dos habitantes da casa e intensificar a limpeza geral de todos os cômodos.


Colocar capa de colchão e travesseiro com material impermeável
Trocar roupa de cama com frequência, lavando a mesma com água quente (maior que 55 graus)
Expor o colchão ao sol
Retirar carpetes dos ambientes, substituindo-os por piso de cerâmica, madeira ou vinil. Limpar o chão com pano úmido sem varrer
Retirar cortinas da casa, substituindo-as por persianas ou lavar as cortinas com frequência
Utilizar aspiradores de pó com filtro HEPA, já que os aspiradores comuns podem aumentar a quantidade de aeroalérgenos no ambiente
Sofás devem apresentar material impermeável
Cobertores devem ser substituídos por edredons
Evitar bichos de pelúcia
Dar preferência a brinquedos de plásticos que possam ser lavados. Evitar locais que acumulem pó no quarto, dando preferência a colocação de objetos em caixas fechadas.
A higiene ambiental diminui os sintomas e as crises dos pacientes alérgenos. Com certeza o tratamento deve ser complementado com medicamentos e/ou com imunoterapia específica. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a imunoterapia com extratos alergênicos é a única forma de tratamento da rinite alérgica capaz de alterar a evolução natural da doença. Deve ser realizada por tempo prolongado por um período mínimo de 3 anos.

A eficácia da terapia depende do uso correto das medicações, da higiene ambiental e do acompanhamento assíduo com o especialista alergologista.



Qualquer reclamação, dúvida, comentário ou sugestão são bem vindos.

0800-7723010 | (18) 3851-9020 | (18) 99708-1491

Av. 09 de Julho, 683 - Conj.22 - Centro - Tupi Paulista

[email protected]



Todos os direitos reservados - Permitida a reprodução do conteúdo deste portal desde que autorizada.

Precisando de Internet? Conheça a abcRede Telecom.